Publicidade

 

 
 23/04/2018    09:20hs

Trocando seis por meia dúzia

Após 'Operação Cartola', Federação Paraibana troca comando da comissão, sai ex-árbitro e entra mais um Coronel da PM para comandar arbitragem

José Renato era presidente da Comissão de Arbitragem da Paraíba desde 2015 (Foto: Reprodução / TV Cabo Branco)
Publicidade

Na ultima sexta-feira (20), a Federação Paraibana de Futebol anunciou que o ex-árbitro José Renato de Albuquerque Soares não é mais o presidente da Comissão de Arbitragem da Paraíba (Ceaf) e informou que o Coronel Marcos Alexandre de Oliveira Lima Sobreira e o Major Juceilton Soares de Oliveira, ambos da Policia Militar, serão agora os novos chefes do apito naquele estado.

O fato ocorreu quase duas semanas após deflagração da ‘Operação Cartola’ pela Polícia Civil da Paraíba, que investiga árbitros, dirigentes, clubes e teve a comissão de arbitragem daquele estado como principal alvo das investigações policiais. Entretanto, segundo fontes locais, além de não entenderem nada da função para a qual foram indicados, os novos integrantes da CEAF-PB são ligados a um dos principais investigados, o árbitro CBF Renan Roberto de Souza.

Segundo ainda essas fontes, a troca de integrantes da comissão foi feita tardiamente, pois o presidente da FPF, Amadeu Rodrigues, já tinha sido alertado anteriormente do que vinha ocorrendo por diversas vezes por outros árbitros. Mas o dirigente manteve o ex presidente José Renato no cargo, configurando assim um certo protecionismo pra não dizer conivência com o comportamento no mínimo duvidoso segundo aponta a Policia Civil da Paraíba.

Com a mudança, a arbitragem paraibana volta a ser comandada por um militar, prática comum nas entidades que organizam o futebol em todo o país. Os dirigentes colocam militares graduados, sem nenhuma experiência na função, para vigiarem os árbitros, como se esses bandidos fossem, mas se esquecem que os verdadeiros bandidos são alguns deles tendo em vista que um presidente da maior entidade do país esta preso nos Estados Unidos e outro sem poder fazer viagens internacionais para não ter o mesmo destino. Também poderia ser citado vários presidentes de federações e de clubes que são investigados por diversos crimes.

Na Paraíba, não é a primeira vez que acontece, já que outros policiais também ocuparam a mesma função na FPF, como o coronel Kelson Chaves e o tenente Marcílio Braz – este, até hoje faz parte da entidade paraibana.

Crédito: FPF

Eduardo Araújo (diretor executivo), Amadeu Rodrigues (presidente), Cel. Sobreira e Juceilton (Nova comissão - PB)

Nova Comissão é ligada a Renan Roberto
Por uma “coincidência” do destino, a nova comissão é formada por dois policias militares que são: Coronel Marcos Sobreira e Major Juceilton Soares. A título de informação, Cel. Sobreira nunca foi árbitro, já Juceilton fez o curso, mas não atuou profissionalmente na função.

Sobreira foi chefe na PM e segundo consta é muito amigo do polêmico árbitro Renan Roberto que atualmente responde hierarquicamente ao Major Juceilton que será seu comandante tanto na caserna como na arbitragem.

Nossas fontes na Paraíba dizem que essa indicação seria uma forma para que Renan, apontados por muitos como o melhor árbitro do estado e principal articulador nos bastidores, se distancie de José Renato, mas mantenha o controle da comissão com ingerências juntos aos seus membros.

Começou errado
A nova comissão já convocou coletiva de imprensa para as 16 hs desta segunda-feira. Fato negativo é que a coletiva será na sede da Caixa Beneficente da Polícia Militar, local de trabalho do novo presidente da CEAF-PB. Só por este fato a nova comissão já mancha seu inicio de trabalho, pois segundo consta, o antecessor usava sua empresa (Retifica) como sede da comissão e o resultado pode ser visto nos autos da ‘Operação Cartola’.

Reunião na Retifica
Segundo uma fonte da Policia Civil da PB, a mesma estaria investigando uma reunião na tarde do dia da deflagração da operação. Nesta reunião, supostamente estariam José Renato, Renan Roberto, Eder Caxias e João Bosco, apelidados de “quarteto fantástico”. Segundo nossa fonte, os citados teriam como pauta a combinação dos depoimentos a polícia, descobrir quem denunciou e qual “providencias” seriam tomada em relação aos denunciantes.

Vamos aguardar o desfecho das investigações, mas já temos informações que testemunhas foram coagidas a não irem depor e denunciantes teriam saído, às pressas, de João Pessoa por conta de ameaças.

Os escolhidos
A imprensa local Amadeu Rodrigues disse que coronel Sobreira e major Juceilton são identificados com o esporte e, inclusive, o segundo é quem cuida do setor de educação física do Centro de Ensino da Polícia Militar da Paraíba. Já o primeiro, atualmente preside a Caixa Beneficente da PM. Como a comissão é autônoma, os dois vão decidir quem responderá como presidente.

"Fico feliz em ter sido convidado para essa missão. Fiz um curso de arbitragem na década de 80, mas pelas atividades que assumi na PM à época, não tive condições de atuar. Agora terei essa oportunidade e para mim é motivo de orgulho" – disse Juceilton Soares.

Delegado porreta
O Delegado titular da DDF/PB, Dr Lucas Sá é muito conhecido por ser incorruptível e linha dura. Já tinha acabado com uma quadrilha que fraudava concurso público no Brasil na operação gabarito, agora mostra força e coragem contra as pressões internas e externas contra a operação cartola.

O destemido delegado promete ir até o final, 'doa a quem doer', disse em entrevista.

“A casa de muita gente vai cair”.

 O destemido cearense Lucas Sá de Oliveira é delegado titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) da PB

Apitonacional, compromisso só com a verdade!

Publicidade

 

Copyright © 2009     -     www.apitonacional.com.br ® Todos os direitos reservados